#LerÉFundamental: veja dicas importantes para estimular a leitura das crianças

A leitura é um hábito que se cria e, como todo hábito, deve ser cultivado no dia a dia. Mas não é um mero “hobby”.

É uma prática enriquecedora, que contribui para muitos âmbitos da vida: ela está ligada diretamente à educação, já que é por meio dela que se tem o aperfeiçoamento do vocabulário e da escrita; ajuda a estimular a imaginação, colaborando com a criatividade; contribui para o desenvolvimento pessoal, uma vez que incentiva a reflexão sobre princípios e valores da vida e é uma das melhores maneiras de desestressar.

Porém, ainda é um costume raro entre os brasileiros. Em média, o brasileiro lê pouquíssimo: apenas quatro livros por ano, sendo dois "pela metade".

Um dos grandes problemas para não criarmos assíduos leitores é a falta de motivação. A questão é quase cultural: um pai ou uma mãe que não foram incentivados a ler raramente incentivarão seu filhos. Podem até cobrar que leiam, como muitas vezes foram cobrados, mas isso deixa de ser incentivo e passa a ser um sacrifício – o que não constrói um leitor. Para mudar o cenário, é preciso trabalho árduo por muitos anos.

O ideal é iniciar a motivação desde cedo. Apesar de as crianças só aprenderem a ler por volta dos 5 anos, elas precisam ser estimuladas a ter contato com a leitura ainda bebês. O primeiro passo é tornar os livros mais atraentes – e aqui entra o papel fundamental dos pais ou responsáveis.

Parte do tempo deve ser dedicado à leitura com ou para os pequenos. Num primeiro momento, é importante encará-la como uma brincadeira atrativa e lúdica em que haja a participação da criança. Uma dica é apostar em encenações teatrais, fantasias, fantoches, brinquedos e até mesmo algum instrumento musical.

É importante escolher um estilo de literatura que esteja de acordo com a faixa etária e um tema com o qual a criança se identifique. Livros com personagens, a Hello Kitty, por exemplo, podem ser uma boa pedida para crianças mais novas.

Aos poucos, outros temas podem ser apresentados, mas sempre respeitando o gosto da criança. Porque, quando ela entra em contato com algo que gosta, é possível estimulá-la a buscar conhecimento sozinha e assim desenvolver a autonomia dela, principalmente na descoberta dos próximos livros que desejará ler.

Opções com bastantes imagens e ilustrações também são uma boa pedida, mas saiba que as crianças gostam de imaginar o que está escrito, o que ajuda a estimular a criatividade. Sempre que possível, peça para a criança interpretar a cena da maneira como imagina, dando vida à leitura. Conforme forem avançando, inclua letras e frases na brincadeira.

E tem algo que parece supérfluo, mas que tem muita relação com a aceitação da leitura: a disposição dos livros em casa. Quando os livros estão organizados em prateleiras, as crianças tendem a achar que é algo que não deve ser mexido, sem contar que dessa forma eles dificilmente serão vistos ou alcançados por elas, devido à altura. O ideal é criar locais interessantes e criativos para guardá-los, como um baú ou um carrinho de leitura – aproveite para usar todo a sua imaginação para enfeitar esses locais e chamar a atenção das crianças.

Caso seu filho tenha passado da infância, fique tranquilo. Adolescentes também podem ser estimulados. Uma das dicas é promover um clube de leitura dentro da família. Todo mês alguém indica um livro que deve ser lido por todos os integrantes da casa e, em determinado dia, a família se reúne para conversar sobre a obra.

E lembre-se: o momento da leitura tem que ser visto como uma hora de diversão. Associar o hábito a uma obrigação fará com que a criança/adolescente tenha a sensação de que está sendo punido e assim dificilmente desenvolverá o prazer que leva a inserir a leitura em sua rotina.

A Editora Fundamento acredita que a leitura é algo fundamental para a educação e o desenvolvimento humano. Por isso, estamos juntos na missão de tornar os brasileiros leitores cada vez mais assíduos.

Aqui, temos títulos que podem ajudar nessa jornada, já separados pela idade: