A Conspiração Mozart: 4 Incríveis mitos sobre vida do compositor

Sociedades secretas, conspirações, assassinatos e muito mistério. Esses não são apenas os elementos que tomam o palco principal no livro A Conspiração  Mozart, mas também na vida real do compositor.

 

Em A Conspiração Mozart, Ben Hope é um ex-agente da SAS e especialista em encontrar e resgatar vítimas de sequestro. Um ano após a morte de seu amigo Oliver Llewellyn, Ben é contratado por Leigh Llewellyn, uma famosa cantora de opera e irmã de Oliver, para resolver um grande mistério.

Leigh afirma que a morte de seu irmão não foi um acidente, como afirmam as autoridades. Para ela, Oliver foi vítima de um crime terrível e agora seus assassinos a estão perseguindo. Tudo porque Oliver fazia uma pesquisa sobre Wolfgang Amadeus Mozart.

Já dá para perceber que esta é uma história de tirar o folego. Mas se você pensa que os segredos e conspirações ficam só dentre as páginas do livro, se engana. Na verdade, a vida e a morte de Mozart geraram mistérios e mitos que são discutidos até hoje.

 

A Conspiração de Mozart

 

A conspiração de Mozart e os mitos sobre vida do compositor.

 

1 - Mozart foi assassinado por Antonio Salieri: Ainda hoje muita gente acredita que Mozart foi envenenado pelo rival ciumento. Essa teoria ficou tão popular que até virou tema central do filme Amadeus de 1984, que ganhou nada menos do que oito Oscars! Na verdade Mozart morreu de miliar aguda.

2 - Mozart escreveu obras primas aos 4 anos de idade: Para início de conversa, os primeiros trabalhos de Mozart estavam longe de ser obras primas. Ele só alcançou um nível elevado nas suas composições ao 16 após estudar muito. Mesmo assim, as habilidades precoces de Mozart podem ser explicadas pela rotina rígida de estudos imposta por seu pai.

3 - Mozart tinha uma memória prodigiosa: Conta-se que aos 14 anos de idade, Mozart foi capaz de reproduzir em partitura o Miserere de Gregório Allegri após ouvi-lo apenas duas vezes. O fato é que Mozart tinha um conhecimento musical incrível e, por isso, tinha grande facilidade em decorar e reproduzir obras musicais, mas isso não quer dizer que sua memória era fotográfica.

4 - Mozart morreu na miséria: Mozart foi enterrado em uma cova simples e não demarcada nas proximidades de Viena. Apesar de este ter sido um costume bastante comum na Áustria daquela época, muita gente leva o fato de nenhuma lápide ter sido erguida como uma prova de que Mozart estava falido e sem amigos quando morreu.

 

A Conspiração de Mozart

 

Embora essas histórias sejam apenas mitos, não há como negar a curiosidade que elas geram, não é mesmo? Então, se você quiser ficar por dentro de mais um mito fascinante sobre a vida deste gênio da música, não deixe de acessar o site da Editora Fundamento e conferir o livro A Conspiração Mozart de Scott Mariani.